Luana Martins

Luana Martins

Estudante de Arquitetura

Sou formada em Técnico em edificações pela CEDTEC e atualmente, estudante do curso Arquitetura e Urbanismo da faculdade Multivix (Vitória).

Tive o meu primeiro contato ainda como técnica em um escritório de arquitetura onde desenvolvi a minha admiração pela profissão e escolha pelo curso de arquitetura e urbanismo.

Sou extremamente ligada nas disciplinas de projeto de arquitetura, desde a criação, modelagem e a aprovação do projeto.

Sou flexível no que se refere à criação e execução de projetos, não adotando apenas um padrão arquitetônico, estando em harmonia com o cliente, objetivando um projeto satisfatório e de qualidade para ambas as partes.

 

Na arquitetura, faz-se necessário uma via de mão dupla entre cliente e arquiteto, pois para a realização de um bom projeto as partes devem expressar suas opiniões e ambos chegarem num denominador comum, tendo como consequência o objetivo alcançado e realizado tanto para quem contrata quanto para o arquiteto.

 

  • Cad 69% 69%
  • Sketchup 60% 60%
  • Revit 55% 55%

PROJETO – EDIFÍCIO USO MISTO 

Projeto - Edifício Misto

Esse projeto foi planejado para a disciplina Projeto Arquitetônico IV no 4º período do curso.

A principal necessidade imposta pelos professores, foi o uso de 90% do potencial construtivo naquele zoneamento, e explorar as vistas privilegiadas do local, agregando valor e beleza.

Todo o projeto foi realizado no software revit architecture e Sketchup, me dando liberdade para humanizar as plantas e possibilitando uma boa representação da volumetria do edifício.

 

CENTRO DE INFORMAÇÃO AO VISTANTE E AO TURISTA

 

Centro de Informação ao Visitante e ao Turista

O projeto desenvolvido consiste em um Centro de Informação ao Visitante e ao Turista, localizado no bairro Goiabeiras em Vitória-ES.
A escolha do espaço para implantação da edificação, foi a praça Coronel Francisco Pereira, mas conhecida como pracinha de Goiabeira. Esse espaço, é bem localizado por estar de frente para uma das avenidas mais movimentadas da grande Vitória, a Avenida Fernando Ferrari e se encontra próximo do aeroporto, sendo esse um dos públicos alvos, próximo da orla de jardim Camburi grande ponto turístico da cidade e de tantos outros equipamentos relevantes.
A área da praça se encontrou pequena diante do empreendimento que propomos, para isso fizemos uma intervenção em uma das vias laterais, Avenida Jerônimo Vervloet, que contém baixo acesso de veículos, e agregamos uma grande via de acesso de pedestre, melhorando a circulação para o comércio local e a inserção da edificação, ampliando o espaço verde e a área de vivência, para a comunidade local e também para os frequentadores do Centro de Informação ao Visitante e ao Turista.
A volumetria proposta foi trazer alguns ícones de Vitória, como a utilização de contêineres e a terceira ponte. Esses ícones têm grande representatividade para todo o funcionamento da grande Vitória. Os contêineres onde funcionará toda parte de atendimento, café e sanitários, ficaram suspensos em tirantes de aço por um pórtico em concreto armado aparente que traz em seus traços a semelhança da terceira ponte. Tem-se como o projeto Palácio Tiradentes de Oscar Niemeyer, localizado em Terra Verde-MG, guardada as devidas proporções. O acesso único é por uma rampa circular quebrando um pouco os traços lineares do projeto, e também todo o paisagismo recebe curvas sinuosas para contrastar a ortogonalidade do edifício.
Esse tipo de volumetria trouxe a edificação algumas vantagens e alguns cuidados quanto a estrutura. Algumas dessas vantagens está relacionado ao conforto térmico, pois se tratando de contêineres existe uma grande dificuldade em sua utilização muitas vezes por ter que ser tratado internamente para que não se tenha um ambiente desagradável, mas por outro lado, para esse projeto além do tratamento interno ele em um estrutura suspensa não entra em contato direto com o solo nem com a laje recebendo ventilação natural por todo ele e a grande laje que o sustenta o protege de incidências diretas do sol, tornando-o um ambiente mais agradável. Já a estrutura do contêiner e reforçada com vigas em aço e laje steel deck para a sustentação do mesmo pelos tirantes e estrutura de contraventamento dos tirantes para que se amenize a movimenta da estrutura.
As tecnologias utilizadas para esse projeto, foi a utilização de tinta ecológica, painéis solares e fotovoltaicos para aquecimento da água e geração de energia solar. Toda a estrutura do pórtico é pré-moldada, evitando um maior acumulo de resíduos na obra e garantindo a resistência desejada dos materiais.

BIBLIOTECA PARQUE

Biblioteca Parque

O terreno é localizado no bairro Joana D’Arc em Vitória, no Espírito Santo. O local é de fácil acesso devido à proximidade de uma rodovia importante da cidade, a Serafim Derenzi. Sendo um terreno de esquina, seu acesso pode ser feito saindo da Rodovia Serafim Derenzi e adentrando a Rua Osias Sarmento Rodrigues.
Foi priorizada ao acesso de pedestre a fachada mais importante, que fica exposta a rodovia, pois assim facilita a visibilidade e acesso do público. Com isso, a fachada Sul, que fica paralela a Rua Osias Sarmento, foi pensada para acesso dos veículos, sendo a entrada e saída do estacionamento.
Todo o partido foi pensado para que nenhuma parte da construção fosse isolada ou excluída. Assim, nos limites do terreno está localizada a calçada para caminhadas e uma ciclovia. Na parte externa da edificação estão a academia popular, parquinho, quadra poliesportiva, pista de skate e também, para descanso, o pergolado.
A característica marcante do projeto são as curvas. Começando pela fachada principal, em que seu diferencial é a forma curvilínea se estendendo aos brises, e na parte interna, a escada que circunda uma grande árvore Ipê.
No pavimento térreo, com 2.191,73m² estão projetados os espaços de oficina, onde o conteúdo ensinado é referente à exposição feita na temporada da Biblioteca. Neste mesmo pavimento estão o auditório e cinema, estes foram selecionados para o térreo devido ao público maior nesses locais, com isso, o acesso seria mais rápido. Na fachada em frente ao mangue seco, estão localizadas salas em que o acesso do público não é permitido, como almoxarifado e sala de máquinas.
No primeiro pavimento, com 2.367,96m² para atrair o público, foi pensada uma lanchonete com uma varanda em balanço. Na lateral estão a brinquedoteca e o acervo infantil. Neste pavimento também está localizado todo o setor administrativo.
No segundo pavimento, com 2.136,53m² estão a mediateca, acervo, gibiteca e setor periódico. Em todo esse pavimento, para acesso, é necessário passar pela recepção e fazer o cadastro, facilitando a manutenção da biblioteca.