“Segurança em primeiro lugar”. Esse é um dos lemas da área da arquitetura e urbanismo. E, para que o ambiente projetado seja seguro em todas as suas possibilidades, é fundamental que o profissional que o está desenvolvendo tenha, em mãos, um excelente PPCI – Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio. Obrigatório, o PPCI deve sempre ser desenvolvido juntamente com o projeto de arquitetura do espaço, garantindo assim sua total eficiência em paralelo à segurança da edificação e de seus usuários.

Contribuindo ativamente com a elaboração do plano, o arquiteto tem total conhecimento técnico e capacidade de colaborar com indicações precisas a respeito de rotas de fugas e especificações de materiais e revestimentos adequados. Tanto que a Resolução 21 do CAU/BR trata exatamente deste ponto: apontar como uma das atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista a elaboração de projeto de sistemas prediais de proteção e combate a incêndios e catástrofes.

No Brasil, o órgão regulamentador é o Corpo de Bombeiros, sendo responsável pelo planejamento, análise, aprovação e fiscalização das instalações e equipamentos de prevenção e combate a incêndio. Com regulamentações estaduais, a única corporação que não reconhece a qualificação técnica dos profissionais graduados em arquitetura e urbanismo para a criação deste tipo de projeto é o CBMERJ (Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro). Em toda a região fluminense, apenas os profissionais que possuem especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho estão autorizados a criar o PPCI. Mas esta é uma questão que vem sendo debatida arduamente pelo CAU/RJ e que em breve deve apresentar novidades.

Um PPCI adequa e regulariza as edificações atendendo sempre aos padrões normativos brasileiros, lembrando, sempre, que cada tipo de edificação tem uma classificação específica que determina o grau de risco de incêndio e os equipamentos necessários para a proteção dos prédios e de seus usuários.

Além das normas brasileiras que ditam as regras para instalação de portas corta-fogo e saídas de emergência, sistemas de iluminação de emergência, instalação de hidrantes e mangotinhos, é papel do arquiteto estar sempre atento às novidades oferecidas por este mercado na busca por melhorias neste processo. “Hoje temos produtos e vernizes específicos que retardam as chamas e podem ser aplicados em madeira, tecido, carpetes e diversos outros materiais. Além disso há, também, as tintas intumescentes contra o fogo e a propagação das chamas; e os selantes corta-fogo que são aplicados em tubulações, juntas, cabeamentos elétricos e fissuras”, comenta Sandra Pompermayer, arquiteta e urbanista da USF – Itatiba Design.

Lembrando que todas as obras arquitetônicas, com exceção das residências unifamiliares, devem contar com um Laudo de Proteção Contra Incêndio, arquitetos e designers especialistas na elaboração de espaços comerciais devem ficar ainda mais atentos à elaboração destes projetos. Para orientá-los, além das normas gerais é interessante manter-se atualizado quanto às regras estipuladas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego como, por exemplo, a NR23 que trata da proteção contra incêndio para locais de trabalho. Ou seja, em projetos corporativos, é interessante que o arquiteto considere a divisão do edifício em células, evitando o fácil alastramento do fogo; considere a implantação de barreiras; respeite o número mínimo de saídas de emergência e a distância máxima a percorrer até uma delas, entre outros pontos de destaque.

Para os interessados em conhecer mais a respeito das regras relacionadas à elaboração do PPCI, deixamos uma dica: acompanhar as publicações e atividades do Grupo de Fomento à Segurança Contra Incêndio, um grupo que integra o núcleo de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo) e é formado por pesquisadores e profissionais da área, com destaque para Rosária Ono, especialista em segurança contra incêndio e professora da FAUUSP e Ualfrido del Carlo, professor titular aposentado na Universidade de São Paulo, vinculado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo desde 1964.

Arquitetos - Projeto contra incêndio

Leia Mais

Termos e definições BIM que você precisa saber!

Termos e definições BIM que você precisa saber!

Parte 01                                                               AEC - Arquitetura, Engenharia e Construção Termo bastante utilizado para se referir as áreas de arquitetura, engenharia e construção. BIM - Building Information Modeling Modelagem da Informação da...

ler mais
Em homenagem ao Dia Mundial do Urbanismo

Em homenagem ao Dia Mundial do Urbanismo

Em homenagem ao Dia Mundial do Urbanismo, apresentamos para você uma incrível ferramenta da Autodesk: o Infraworks. O Infraworks é uma ferramenta que possibilita a compreensão do projeto ainda em fase inicial, permitindo a visualização em 3D, torna-se mais claro o...

ler mais
A Obrigatoriedade do BIM em obras públicas na Espanha

A Obrigatoriedade do BIM em obras públicas na Espanha

Nos dias 8 e 9 de março aconteceu em Barcelona a European BIM Summit, um congresso internacional que ocorre anualmente sobre o BIM (Building Information Modeling) com a finalidade de propagar boas práticas para o uso do BIM, bem como o uso compartilhado de métodos e o...

ler mais